Fé X Dependência ou Religiões X Pornografia?

Na luta contra o vício, muitos recorrem à fé. A espiritualidade é uma base muito eficaz, um princípio que antecede a tudo. Mas uma coisa é reflexão, meditação e oração. Outra é exigir conversões ou juramentos castos.

Tome muito cuidado ao se consultar com religiosos, pois alguns deles podem te dizer que você sofre porque não encontrou o “verdadeiro caminho da salvação”, ou “que há demônios te perturbando”. Raciocine sempre sobre determinados conceitos. Fé boa é fé raciocinada.

Muitas crenças também condenam determinadas práticas sexuais. Avalie se você as pratica de forma saudável. É importante desvincular das intimidades e da própria mente, o lado porco que algumas modalidades pornográficas nos propõem sexualmente. No entanto, tender ao conservadorismo é podar a própria natureza.

O que é errado no sexo como um todo, é a promiscuidade, o desrespeito e a violência. Isso inclui as paixões pela vadiagem, pela libidinagem, pela prostituição, pela infidelidade, pelas formas desumanas de sexo etc. Elas sim, devem ser combatidas com justiça, amor, conscientização, caridade e muita orientação.

Inúmeros sites religiosos discursam argumentos que, em muitos casos, aumentam a culpa pelo erro. Todos nós erramos. O ser humano não pode e nem deve bloquear as funções sexuais. O moralismo sobre o que é certo ou errado, sobre a utilidade de certas coisas, é um causador de culpa que poda os prazeres da carne e faz as pessoas boas e honestas ficarem infelizes por se sentirem pervertidas; quando na verdade, estão sentindo desejos absolutamente normais.

É óbvio que muitas práticas são costumes culturais, e que a pornografia acaba aprisionando despercebidamente as pessoas em hábitos pouco felizes, brutos e até não-higiênicos. Por isso, avalie as suas condutas intimas e desvincule a sua sexualidade das modalidades ruins que adquiriu por causa da pornografia.

Na vida a dois, a partir do momento em que um casal está se amando mutuamente, os dois sabem dizer quais formas de prazer sexual se enquadram respeitosamente dentro deste sentimento, por mais “pornográfico” que pareça. Se há carinho, vontade, desejo, estímulo, ternura e compromisso entre ambos, supõem-se que não há muitos limites. A imensidão do prazer sexual é um presente da natureza, e ao mesmo tempo, uma grande provação para nossa racionalidade.

É válido lembrar que a pornografia não tem exatamente a missão de explicar como atuam as zonas erógenas e muito menos de falar sobre amor ou educação sexual. No universo pornô, tudo passa longe demais da realidade. A pornografia é um recorte artístico, onde o que importa são corpos bonitos fazendo sexo e mais nada. Não há sentimentos, nem descobertas. A pornografia te envolve com sexo explicito e mais nada.

Finalizando: tente não confundir a convicção religiosa acerca da pornografia, com o vício que se tem na dita cuja. Senão a crise pode se tornar ainda mais avassaladora. É imprescindível separar as abordagens. Cada um escolhe a sua forma de interligar fé com ciência.

Reze muito, com devoção e tudo. Toda fé é válida para quem tem força de vontade. Não importa qual seja sua crença. Contudo, antes de se dirigir a Deus, pedindo Sua ajuda, cabe a você, unicamente a você, optar pelo real abandono do vício. É preciso, antes de qualquer coisa, ter realmente vontade de parar.

Muitos, apenas estão dispostos a parar. Mas bem provavelmente lá no fundo, não querem deixar a coisa de lado. Por isso que a recaída é tentadora e constante. Estão apegados a pornografia; e a falta dela deixa um vazio tremendo.
Portanto, coragem, determinação e perseverança!
Vá lute e vença!

5 comentários sobre “Fé X Dependência ou Religiões X Pornografia?

  1. Pingback: A Pornografia e Você « BADPorn

  2. Gostei muito do texto,

    vocês estão de Parabéns por essa iniciativa de combater a dependência da pornografia,

    sei o sério problema que a influência pode causar no âmbito das nossas relações e na saúde de nosso corpo. e como o assunto envolve religião e pornografia, gostaria de apresentar um pouco o tratamento dos abusos sexuais ante a doutrina Espírita, num livro chamado “Missionários da Luz” de “chico xavier” psicografado pelo espírito “André luiz”, onde há um trecho que há um diálogo falando sobre o aparelho corporal de um homem que está em desequilíbrio sexual:

    ” – Repare no aparelho genital – aconselhou-me o instrutor, gravemente.

    Fiquei estupefato. As glândulas geradoras emitiam fraquíssima luminosidade, que parecia abafada por aluviões de corpúsculos negros, a se caracterizarem por espantosa mobilidade. Começavam a movimentação sob a bexiga urinária, e vibravam ao longo de todo o cordão espermático, formando colônias compactas, nas vesículas seminais, na próstata, nas massas mucosas uretrais, invadiam os canais seminíferos e lutavam com as células sexuais, aniquilando-as. As mais vigorosas daquelas feras microscópicas situavam-se no epidídimo, onde absorviam, famélicas, os embriões delicados da vida orgânica. Estava assombrado. Que significava aquele acervo de pequeninos seres escuros? Pareciam imantados uns aos outros, na mesma faina de destruição. Seriam expressões mal conhecidas da sífilis?

    Enunciando semelhante indagação íntima, explicou-me Alexandre, sem que eu lhe dirigisse a palavra falada:

    – Não, André. Não temos sob os olhos o espiroqueta de Schaudinn, nem qualquer nova forma suscetível de análise material por bacteriologistas humanos. São bacilos psíquicos da tortura sexual, produzidos pela sede febril de prazeres inferiores. O dicionário médico do mundo não os conhece e, na ausência de terminologia adequada aos seus conhecimentos, chamemos-lhes larvas, simplesmente. Têm sido cultivados por este companheiro, não só pela incontinência no domínio das emoções próprias, através de experiências sexuais variadas, senão também pelo contato com entidades grosseiras, que se afinam com as predileções dele, entidades que o visitam com frequência, à maneira de imperceptíveis vampiros. O pobrezinho ainda não pôde compreender que o corpo físico é apenas leve sombra do corpo perispiritual, não se capacitou de que a prudência, em matéria de sexo, é equilíbrio da vida e, recebendo as nossas advertências sobre a temperança. Acredita ouvir remotas lições de aspecto dogmático, exclusivo, no exame da fé religiosa. A pretexto de aceitar o império da razão pura, na esfera da lógica, admite que o sexo nada tem que ver com a espiritualidade, como se esta não fosse a existência em si. Esquece-se de que tudo é espírito, manifestação divina e energia eterna. O erro de nosso amigo é o de todos os religiosos que supõem a alma absolutamente separada do corpo físico, quando todas as menifestações psicofísicas se derivam da influênciação espiritual.”
    [ Missionários da Luz, chico xavier, pelo Espírito André luiz, pag 34-35, cap 03 ]

    O sexo é uma atividade com fins bastantes úteis para humanidade, o problema sabermos entender até onde poderemos ativar a atividade sexual sem nenhum prejuízo ao nosso corpo, nossa mente, e nossa vida social. Não somos seres que fomos críados para servir a um conjunto de padrões de uma certa religião e para tanto precisamos investigar o que é proveitoso para nossa felicidade, precisamos utilizar nossa razão e nossa análise como verdadeiros cientistas da vida. e ter a capacidade de jogar fora tudo aquilo que nos faça cair no Erro. O caminho da cura do vício pornográfico é um longo trajeto, mas não é um caminho impossível. por isso se voce deseja realmente se curar deste vício, o primeiro passo é ter força de vontade. Assim, um conjunto de atos, pensamentos, e vibrações positivas poderão lhe reeducar socialmente e intimamente, cujo estímulo vocês conseguirão buscar na força de vontade de dentro de vocês, e no trabalho árduo de tentar se melhorarem, para tanto a cura os exige um primeiro passo, que é dizer: Eu quero me curar!!! acreditem, confiem e mãos a obra.

  3. O BADPORN realça que não é favorável se abordagens religiosas, pois não se vincula a nenhum tipo de crença; mas respeita quem procura esse tipo de pauta ou explicação.

  4. Independente da religião ou do credo de cada um, mas na minha opinião é meio eficaz para que possa haver um compromisso sólido no combate ao vício da pornografia.

  5. A fé em algo maior é, naturalmente, uma espécie de “totem” que desperta a mente para uma força mais intensa e com vigor. O problema é quando a abordagem religiosa faz o indivíduo se sentir pior, culpado e amedrontado. Isso obviamente não produz um mecanismo saudável de recuperação. O que o BADPorn indica é que a fé religiosa seja mais uma entre os suportes de combate e sustentação da pessoa, estimulando o ser pela prática da reforma íntima, da caridade, do amor próprio, da meditação e autoconhecimento.

    Participe do nosso fórum! Acesse http://www.badporn.foro.bz e poste suas opiniões para ajudar em nossa comunidade!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s