A Pornografia e Você

Com base nos depoimentos e palavras de alguns dependentes de pornografia, além do apego, uma outra característica comum está surgindo em vários relatos: A auto-comparação desfavorável.

Ela é mais comum na pornografia que envolve sexo explícito, do que na pornografia com nudez e masturbação, pois esta última possui apenas um corpo em trabalho de sedução.

Como o próprio nome já diz, nessa comparação, o indivíduo se projeta no lugar dos “personagens” e se sente inferior a eles, pois não foi capaz de fazer o que eles fizeram, não é o que eles são e não tem o que eles têm. O resultado disso é a frustração, a angústia, a ansiedade…

Em algum momento da vida, a pessoa começa a assistir o material adulto, como resultado da pornocultura e do erotismo da mídia e dos costumes brasileiros. Sendo assim, ela passa a ficar fascinada pelo desempenho das pessoas retratadas ali. E quando isso acontece, sem perceber, já está envenendada pelas “auto-comparações desfavoráveis”.

Isso começa no corpo, onde os atores são mais fortes, possuem grande órgão e ejaculam aos montes; ondes as atrizes são lindas, possuem traços bonitos, pele bonita, grandes seios e glúteos.  Depois passa para o lado mental; onde os espectadores se questionam “como eles conseguem?”, “porque é assim?”, “O que fazem para gozar desse jeito?”, “Será que isso é bom e fácil de fazer?”. Em seguida, vai para o emocional, onde o consumidor já sente necessidade de acompanhar mais e mais, para sentir mais e mais a realidade desse mundo sexual. Isso inclui os produtos amadores e os contos eróticos, que não fogem dessa análise.

Muitos dependentes preenchem alguma lacuna da vida com essas emoções da pornocultura. Seja por causa de um relacionamento complicado, seja para aliviar as tensões, seja para realizar superficialmente desejos ocultos ou proibidos, seja por baixa auto-estima, seja o que for! Entenda que para ser uma pessoa de sucesso no sexo, você não precisa ser um ator ou uma atriz pornô. Aliás. esse trabalho não faz deles melhores do que nós, assim como não fará de nós melhores do que ninguém. 

Quanto a performance sexual, basta ser legal, respeitar a/o parceira(o) e fazê-las(los) sentir especial. E pela lógica de uma boa convivência, aos poucos, a carga de “safadeza” vai se moldando até os limites que os dois estabelecerem juntos. A pornografia poderá ser descartada ou servir apenas como estímulo ou inspiração, se for da vontade do casal. Imagine como pode ser legal vivenciar as descobertas sexuais junto da pessoa amada. Valorize cada passo, ao invés de fazer tudo perder a graça.

Saiba que a indústria pornográfica possui técnicas, que vão desde o corpo dos atores até as formas de transar. Mesmo nos produtos amadores, esse material é apenas um retrato da sexualidade alheia.
Tudo o que você precisa saber sobre sexo está nas apostilas de educação sexual e umas outras obras sobre prazer, estimulação, relacionamento etc. A pornografia pode ser uma referência em alguns casos, mas infelizmente, corremos o risco de sofrer a com comparação desfavorável, e por sua vez, cair nas garras confortáveis da dependência.

Para se equivalerem nessa comparação, muitos se dedicam a caçar sexo fácil, seja em prostíbulos, seja pela internet etc. Com isso, eles adquirem um hábito menos ligado aos sentimentos, ao respeito e a moral humana em geral. Caem num empate de zero e permanecem na mesma situação de antes.

Outro caso semelhante, é que se desiludem com as atuais parcerias, porque estas não querem fazer determinadas práticas. Em outras palavras, o dependente, em alguns casos, insiste para que a cônjuge se comporte da mesma forma que o personagem pornô. E quando isso não dá certo, aparecem brigas e até mesmo, traições.Esse tipo de comportamento não leva a nada quando as partes não se entendem.

Evite problemas, não consulte esses vídeos. E também não grave, não narre, não exponha sua sexualidade desse jeito. Se há vítimas da auto-comparação, também há quem queira ser comparado. Não se iguale a isso.

Procure saber se você não está se comparando com esses “personagens”, desejando viver as aventuras sexuais gravadas por eles, ou então, ser como eles. A sensação de inferioridade e de desejo não realizado, provavelmente estão tirando a paz da sua mente, e modificando o seu jeito de ser.

Se for o seu caso, pare de buscar esses produtos. Com o tempo você vai se sentir muito melhor.

Você não é obrigado a concordar com tudo isso. Ninguém é dono da verdade. 

Faça sua reflexão e experimente deixar de usar a pornografia como referência sexual.

Leia também um artigo bem-humorado do Portal IG sobre “O desserviço dos filmes pornôs“. Ainda que seja em uma linguagem bem diferente do BADPorn, esta matéria vai direto ao ponto sobre algumas questões pornográficas que atrapalham a vida íntima das pessoas.

Acesse também os outros artigos do BadPorn!

 

5 comentários sobre “A Pornografia e Você

  1. Muito boa esta colocação, entendo que o sexo é e será algo muito pessoal impossivel de comparar-mos alguém com outro, pois os sentimentos e a intencidade dos desejos nos diferencia em muito, o que leva a crer-mos que este ou aquele parceiro (a) é melhor ou mais interessante.
    Entendo no entanto que o sexo, é uma forma real de grande prazer entre duas pessoas, a onde a troca nem sempre é muito justa, mas praseirosa! porque é notado o prazer que determinados parceiros sentem em satisfaser seus “companheiros de momento” o que realmente me choca e ver a fome, os crimes de morte e a violencia Humana das guerras sou da turma “Faça Amor não faça a Guerra’.

  2. vejo a pornografia como uma arte em movimento da nossa espécie ate porque a sensualidade sempre foi um forte apelo para o lado capitalista se estabelecer entre os usuários.
    prque vestimos roupas novas ou combinadas com o momento?
    queremos crescer na vida proficional; com que intuito? Se não a seduçãp do outro.
    O poder nos leva a pensarmos na posse do outro, ou no simples destaque para virarmos obetos de desejo, sim ou não?

  3. Olá Manuel,

    A sua opinião, como a de todos os leitores, é muito importante.

    Realmente, a nossa sociedade tem uma cultura bastante pornificada, onde o erotismo perdeu o significado e o sexo sofreu uma banalização que confunde os valores humanos.

    Continue ligado no BADPorn!

  4. Verdade, Adr10.

    Muitos homens se comparam tanto aos rapazes do pornô que se sentem feios, inferiores. As vezes tentam reproduzir as cenas, imitar os atores e quando não se saem bem nisso, podem ficar com a autoestima abalada se não tiverem o bom senso de que cada um tem seus pontos fortes e fracos.

    Participe do nosso fórum! Acesse http://www.badporn,foro.bz e poste seus comentários tb!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s